A responsabilidade socioambiental na empresa é uma pratica voltada para seus públicos internos e externos (colaboradores, fornecedores, consumidores, comunidade, etc) que visam consciência e o compromisso de fazer o bem a todos que participam de uma sociedade desenvolvida através de uma ação voluntária, que não valoriza somente os lucros, mas também visa à ação sustentável.

As organizações que mantem-se preocupadas com os aspectos socioambientais tende a ganhar a fidelidade dos seus clientes, uma boa imagem perante a sociedade e também a confiança de investidores. Esse tipo de atitude é vital para a competitividade, uma vez que o mercado empresarial está se tornando cada vez mais competitivo, e adotar práticas de gerenciamento sustentável é uma atitude não só legal perante a legislação, mas uma forma de se sair na frente e se destacar no mercado.

Pode-se considerar uma empresa sustentável aquela empresa que gera lucros e movimenta a economia da região sem afetar negativamente seus stakeholders (aqueles que são atingidos de alguma forma pelas ações que a empresa vem a praticar). Trata-se de uma cultura diferenciada, mudança na política empresarial, implantação de novas atitudes e práticas cotidianas dentro de uma organização. Não só grandes empresas, mas qualquer empreendimento pode adotar atitudes sustentáveis, basta ser sustentável em seu ambiente e na sua comunidade.

Diversas empresas, tanto micro empresa como empresas de grande porte já procuram práticas sustentáveis, porém alguns gestores começam a encontrar dificuldades de associar essas atitudes no cotidiano das corporações. Um dos pontos mais fortes é associar a motivação de praticar atitudes sustentáveis com a rotina dos funcionários da empresa. Para ocorrer um retorno econômico de longo prazo, um equilibro social e ambiental os gestores devem, juntamente com o setor de recursos humanos focar em planos estratégicos voltados para ações que viabilizem o desenvolvimento sustentável, tanto para a organização quanto para seus colaboradores.

A partir do critério de responsabilidade, pode-se classificar as empresas em três grandes modelos: aquelas que visam apenas ao lucro e são assumidamente negócios; as que colocam como organizações sociais e procuram satisfazer aos interesses de uma rede de pessoas e, por último as empresas socialmente responsáveis, que não se preocupam apenas com o lucro econômico, mas também com a ação social (Passos, 2012, p. 166).

Pensar em responsabilidade é automaticamente pensar em ética pelos falos de se sensibilizar com o ser humano, respeitando os seus direitos e deveres, com o meio ambiente e a preservação do mesmo. A principal utilidade de práticas sociais é visar o bem-estar das pessoas e da evolução do país de forma consciente.

A gestão ecológica pode ser denominada como a vistoria das operações de uma organização da perspectiva ecológica profunda, ou do novo paradigma (Tachizawa, 2009, p.57). É focada na mudança de cultura e valores de uma empresa, para não focar apena no crescimento econômico, mas também juntar em seus requisitos a sustentabilidade ecológica. Engloba a mudança do pensamento mecanicista para o pensamento sistêmico.

Responsabilidade Social nas Organizações