Mais baratos e flexíveis, cursos online ganharam força; conheça boas faculdades, histórias de quem fez e como o mercado vê esse tipo de diploma.

Durante um ano e meio, a rotina de Max Linder de Moura, 30 anos, foi atribulada. Trabalho, horas perdidas no trânsito, aulas e todos os sábados tomados para cursar um MBA em finanças. A correria levou o administrador de empresas a cogitar desistir de continuar a estudar. Até que ele recebeu um email de uma instituição que falava sobre ensino a distância (EAD). Descobriu ali que a saída para seu problema estava na internet.

“Percebi que era possível fazer um bom curso superior online. Foi uma experiência completamente diferente, mais leve, consegui aproveitar muito mais e ainda ter tempo para descansar e me divertir”, diz ele, que está prestes a entregar o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) para se formar em economia comportamental pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing).

Moura adequou os estudos a sua rotina e encontrou horários alternativos para assistir às aulas, ler e fazer atividades, como nas quase três horas que gasta no trânsito do Rio de Janeiro para ir e voltar do trabalho.

“Tive aulas com professores de outros países, tirava todas as dúvidas com as ferramentas virtuais, consegui me organizar para estudar e fiz muito contato com os colegas de turma. Estou satisfeito e já me programando para o próximo curso”, afirma Moura, que recebeu até uma proposta enquanto fazia o MBA e trocou de emprego.

Como ele, cerca de 1,5 milhão de brasileiros optam pelo ensino a distância — 18,6% das matrículas totais. Em 2004, eram apenas 60 000, 4,2% do total. O número de ingressantes nessa modalidade no ensino superior cresceu 21,4% de 2015 a 2016 e já representa 28% dos novos alunos. Por outro lado, a quantidade de alunos que entraram em vagas presenciais em faculdades sofreu retração de 3,7% no mesmo período.

EAD: 1,5 milhão estuda a distância no Brasil

O novo Censo da Educação Superior, divulgado pelo MEC, mostra que a turma que faz faculdade fora da sala de aula não para de crescer.

Quase um terço dos brasileiros que ingressaram em cursos de graduação em 2017 optaram pelo via do ensino a distância. É o que mostram os resultados do último Censo da Educação Superior, divulgados hoje pelo Ministério da Educação. Segundo os dados, só neste último ano, o acesso à formação superior não-presencial subiu 27% – o maior aumento já registrado na série histórica, que começou há uma década – nos cursos convencionais, só para comparar, o acréscimo foi de 0,5%. O Brasil tem hoje quase 1,8 milhão de alunos matriculados em cursos de graduação a distância, um quinto do total.

A flexibilidade de horário e o preço mais baixo são apontados como os principais motores do crescimento vertiginoso do Ensino a Distância (EAD) no Brasil. “Cursos online são a solução para quem precisa conciliar trabalho e estudo”, diz o especialista Cláudio de Moura Castro, articulista de VEJA, que destaca também a regularização da modalidade como catalisador do aumento. Em maio do ano passado, o MEC publicou uma portaria possibilitando o credenciamento de instituições de ensino superior para cursos de EAD sem a exigência de aulas presenciais, o que ampliou substancialmente a oferta de vagas nesta alternativa de graduação. A educação tecnológica, mais voltada para a inserção no mercado de trabalho, foi especialmente beneficiada pela decisão: mais de 46% das matrículas na área já são a distância.

O acesso a ensino não-presencial no Brasil nem sempre foi tão fácil. Durante décadas, EAD foi sinônimo de curso por correspondência. Os alunos liam as apostilas em casa e dependiam do correio para enviar e receber suas dúvidas e exames. Nos anos 1970, a modalidade ganhou a televisão como aliada – caso do tradicional Telecurso. Mesmo assim, até 1996, não havia uma legislação no país que reconhecesse cursos a distância de nível superior, que chegaram a ser conhecidos no meio acadêmico pelo apelido pejorativo de “supletivo de smoking”. A necessidade, entretanto, se impôs ao preconceito: em plena era da internet, os cursos online se aprimoraram e ganharam o mercado. Nos últimos dez anos, a turma jovem que faz graduação a distância triplicou. É mais uma prova de como a internet está revirando a educação tradicional.
Aumento recorde no ensino a distância